Parceiros

Parceiros
Mercevolks

Parceiros

Segundo perícia não é possível determinar quando nem como Lula recebeu propina

Foto Ricardo Stuckert


Uma perícia feita pela Polícia Federal por ordem do juiz Sergio Moro não pôde determinar quando e em que equipamento foi registrada uma suposta propina de R$ 12,4 milhões da Odebrecht para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). O laudo da perícia foi anexado nesta quinta-feira (23) ao processo da Operação Lava Jato sobre a suposta compra, por meio de laranjas, de um terreno em São Paulo para o Instituto Lula – nunca ocupado pela entidade – e de um apartamento em São Bernardo do Campo (SP) para o ex-presidente. A propina teria sido paga em troca da atuação de Lula a favor da Odebrecht em oito contratos com a Petrobras. O registro da quantia está na planilha intitulada “Posição Programa Especial Italiano”, em que a Odebrecht controlaria uma “conta corrente” milionária de repasses ao PT. O “Italiano” seria o ex-ministro Antonio Palocci (PT). No documento, o valor de R$ 12,4 milhões aparece na mesma linha da expressão “Prédio (IL)”, que seria uma referência a um prédio para o Instituto Lula, e decorre de uma fórmula matemática: ((3*1057) + 8217 + 1034). A perícia foi feita em um arquivo da planilha que estava em um celular de Marcelo Odebrecht, ex-presidente do Grupo Odebrecht, cuja última alteração foi feita em novembro de 2013. A PF disse não ter encontrado “elementos que permitam identificar precisamente qual a data e horário em que foi incluída a fórmula citada”.

Por UOL

patrocínios

patrocínios